quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Planejamento da carteira - controle, projeção e plano de ação para o primeiro semestre 2016

Desde que estabeleci objetivos para o meu dinheiro, janeiro e julho deixaram de ser meros meses de balanço; eles passaram a ser mais importantes do que isto.

O fechamento do semestre passou a ser um ponto de chegada/partida importante para a análise do planejamento estabelecido. E como já expus aquiaquiaquiaqui, e aqui a pergunta que me faço nestas horas é "como estou me saindo?"

Eis a resposta atualizada, tendo por base os dados do 2° semestre de 2015:

Ganhos/Gastos (comparação com 2014)

                               (1° sem)        (2° sem)         (anual)
▲% dos Ganhos:  +76,53%         +7,80%       +36
,24%
▲% dos Gastos:   +99,29%       +72,70%       +85,99%

Proporção dos Gastos com relação aos Ganhos:

             (1º sem)       (2° sem)        (anual)  

2015      49,05%        49,20%         49,12%
2014      43,45%        30,71%         35,98%
2013      48,49%        22,37%         33,58%
2012      45,91%        15,52%         27,45%
2011      67,71%        24,09%         40,11%
2010      66,53%        30,70%         44,55%
2009      80,14%        34,32%         51,25%


Meta: 40% 


Aportes - proporção dos Aportes com relação aos Ganhos:

            (1º sem)      (2° sem)       (anual)

2015     46,76%        48,74%       47,68%
2014     45,53%        57,84%       52,23%
2013     34,04%        65,88%       52,60%
2012     42,67%        67,89%       56,12% 
2011     16,89%        67,45%       48,36%
2010     26,80%        61,16%       46,93% 
2009     14,36%        59,37%       45,18%

Renda Passiva (Yield) da Carteira:

2015        4,35%

2014      10,14%
2013      11,82%
2012       9,17%
2011       7,52%
2010       5,00%
2009       8,89%

Meta: 10% 

Uma vez apresentadas as variáveis, passo a comentá-las.

Com relação aos Ganhos:

Como já havia comentado no post de julho, a troca de emprego no final de 2014 fez com que a minha renda ativa desse um salto no 1º semestre, mas pouco avançasse no 2º em face das verbas rescisórias. Caso nada de extraordinário aconteça no decorrer de 2016 corro o risco, inclusive, de vê-la diminuir nesse período.

Com relação aos Gastos:
 
Da mesma forma que as receitas, o aumento das despesas ainda reflete as mudanças decorrentes da troca de emprego.

A boa notícia é que o pior já passou e a base de comparação, agora, refletirá fidedignamente a nova situação. A má notícia é que, em decorrência do aumento de gastos fixos, terei de aumentar a meta de Gastos dos atuais 40% para 50% a até 60% dos Ganhos em 2016.

Com relação aos Aportes:


A meta de aporte anual foi alcançada com folga (em valores absolutos), em boa parte por decorrência dos valores recebidos de forma extraordinária no 1º semestre.

Com relação ao Yield:

Em valores absolutos, houve uma redução de 43,65% nos proventos recebidos quando comparados com 2014. Também em valores absolutos, isso corresponde a 31,84% dos Gastos.

A base de cálculo do Yield aqui apresentado é diferente da que divulgo mensalmente, ela leva em conta o patrimônio bruto do fechamento do ano anterior; já o Yield divulgado mês a mês tem por base o patrimônio bruto do fechamento do mês em questão.


Acredito ser importante fazer também alguns esclarecimentos.

A meta de crescimento da carteira para 2016 é a mesma dos anos anteriores: 30%. No ano ela cresceu 5,15%.


A divisão da carteira para 2015 ficou assim estabelecida: 75% Ações, 15% TD e 10% FII. Em dezembro ela ficou perto disso (77-15-8) e, para 2016, ela não será alterada.

Sei que a concentração em RV é um tanto perigosa, mas é um risco que o tamanho ainda reduzido do meu patrimônio, minha pouca idade e o momento da bolsa me encorajam a correr. Infelizmente isto fez com que a carteira ficasse, mais uma vez, no vermelho (-11,36%).

Os aportes do 2° semestre foram destinados para Cielo, Cemig, Eletropaulo, Eternit, Itaú Unibanco, Portobello, Vale do Rio Doce e Weg. Também houve recompra de NTN-F 010125 em julho e compra deste título em dezembro.

Ao contrário de outros semestres, não ocorreram mudanças na carteira de ações nos 6 últimos meses.

Para 2016 já reinvesti os cupons do TD e prosseguirei com o rebalanceamento da carteira, nos moldes do que já venho fazendo.

Finalmente, com relação à meta de renda passiva, tudo que posso dizer agora é que ela continua muito distante. Ainda assim, sigo firme no meu planejamento, pois ele já fez com que a meta terminasse o ano um pouquinho melhor do que havia alcançado no semestre anterior.

Bem, era isso. Desejo a todos um excelente primeiro semestre!

4 comentários:

  1. Qual seu patrimonio?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia,

      Não divulgo valores. O que posso te dizer é que ainda não alcancei os 6 dígitos.

      Abraço!

      Excluir
  2. cara me parece que vc entrou na bolsa depois da baixa de 2008, 2016 vai se ano de aportar mto vc sabe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, anônimo. Bem-vindo.

      Entrei na bolsa em 2007. Já vi tudo afundar (2008) e depois tudo disparar (2009).

      O que aprendi daquela vez é que o mercado não avisa quando resolve parar de cair, tampouco dá dicas que não vai parar de subir. Por isso mesmo deixei de fazer trades para analisar balanços e aportar tudo que não vai me fazer falta, nem que este tudo seja R$100,00, todo santo mês.

      Abraço!

      Excluir