segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Planejamento da carteira - controle, projeção e plano de ação para o primeiro semestre 2015

Desde que estabeleci objetivos para o meu dinheiro, janeiro e julho deixaram de ser meros meses de balanço; eles passaram a ser mais importantes do que isto.



O fechamento do semestre passou a ser um ponto de chegada/partida importante para a análise do planejamento estabelecido. E como já expus aqui, aqui e aqui a pergunta que me faço nestas horas é "como estou me saindo?"

Eis a resposta atualizada, tendo por base os dados do 2° semestre de 2014:

Ganhos/Gastos (comparação com 2013)

                            (1° sem)        (2° sem)         (anual)
▲% dos Ganhos:  +7,07%      +13,89%        +10,96%
▲% dos Gastos:    -4,07%       +56,33%        +18,92%

Proporção dos Gastos com relação aos Ganhos:

             (1º sem)       (2° sem)        (anual)  
2014      43,45%        30,71%         35,98%
2013      48,49%        22,37%         33,58%
2012      45,91%        15,52%         27,45%
2011      67,71%        24,09%         40,11%
2010      66,53%        30,70%         44,55%
2009      80,14%        34,32%         51,25%


Meta: 30% 


Aportes - proporção dos Aportes com relação aos Ganhos:

            (1º sem)      (2° sem)       (anual)
2014     45,53%        57,84%       52,23%
2013     34,04%        65,88%       52,60%
2012     42,67%        67,89%       56,12% 
2011     16,89%        67,45%       48,36%
2010     26,80%        61,16%       46,93% 
2009     14,36%        59,37%       45,18%

Renda Passiva (Yield) da Carteira:

2014      10,14%
2013      11,82%
2012       9,17%
2011       7,52%
2010       5,00%
2009       8,89%

Meta: 10% 

Uma vez apresentados os resultados, passo a comentá-los.

Com relação aos Ganhos:

- troquei de emprego em novembro. Como consequência, minha renda foi incrementada por duas frentes: novo salário + benefícios devidos pelo empregador anterior.

- ainda tenho valores a receber decorrentes do meu antigo plano de previdência complementar, o que deverá acontecer ainda no 1º semestre de 2015.

Com relação aos Gastos:
 
- como consequência da minha nova realidade, 1/3 dos meus gastos em 2014 foram feitos apenas nos dois últimos meses do ano. Mudança custa caro!

- numa previsão conservadora, calculo que meu custo de vida cresça 50% em 2015, fruto das despesas decorrentes dessa minha nova realidade.

- diante desse novo cenário tive de revisar a meta dos Gastos para os próximos semestres (era 30% e passou a ser de 40% dos Ganhos).

Com relação aos Aportes:


- o planejamento aqui mostrou mais uma vez seu valor: apesar de problemas técnicos de novembro terem me impossibilitado de investir o montante referente dentro do mês, em nenhum momento do ano tive dificuldade para separar o dinheiro do aporte.

- com a troca de emprego espero incrementar o valor do aporte, e este é um dos motivos que me farão buscar um maior controle das despesas variáveis em 2015.

Com relação ao Yield:

- a meta de 10% foi alcançada no apagar das luzes de 2014, com o pagamento de dividendos extraordinários da Cemig.

- em valores absolutos houve um aumento de 14,78% nos proventos quando comparado com o resultado de 2013 e o valor creditado ainda foi capaz de cobrir a totalidade das despesas do ano (para ser exato, 105,10%). Assim, pelo 4° semestre consecutivo, minha carteira foi autossuficiente.

- o cálculo do Yield aqui apresentado tem por base o patrimônio bruto do fechamento do ano anterior; já o Yield divulgado no fechamento mensal tem por base o patrimônio bruto do fechamento do mês em questão. Por isso a diferença nos valores apresentados.


Analisadas essas 4 variáveis, passo a fazer mais alguns esclarecimentos.

A meta de crescimento da carteira para 2015 é mesma dos anos anteriores: 30%. Em 2014 ela cresceu 17,64%.
 
Os aportes do 2° semestre foram destinados para 8 das 9 ações da carteira (Ambev, Cielo, Souza Cruz, Eletropaulo, Eternit, Grendene, Itaú Unibanco e Vale do Rio Doce). Só não aportei em Cemig pela sua alta concentração no portfólio, mas vontade não me faltou. 

Em julho houve também o reinvestimento dos cupons do TD em NTN-F 010125. E em agosto fiz a única mudança da carteira: troquei Natura por Cielo.

Para 2015 já reinvesti os cupons do TD e prosseguirei com o rebalanceamento da carteira. Com o incremento da renda, controle das despesas e alguma sorte, talvez eu consiga terminar mais uma etapa desta caminhada ainda em 2015, com o tão esperado acréscimo do 10° ativo à minha carteira de ações.


Candidatas para ser meu 10° ativo: NATU3, PSSA3, SBSP3, HGTX3, CCRO3 e MDIA3.


O rebalanceamento completo envolve também investimentos em TD e FII. Eles serão feitos posteriormente, por entender que o momento seja mais favorável ao investimento em ações.

Já a divisão da carteira para 2015 ficou estabelecida em 75% Ações, 15% TD e 10% FII. Sei que a concentração em RV é um tanto perigosa, mas é um risco que o tamanho ainda reduzido do meu patrimônio, minha pouca idade e o momento da bolsa me encoraja a correr.


Para concluir... 


Depois de dois anos aproveitando os benefícios de uma relativa IF nas minhas finanças (em 2013 os proventos perfizeram 108,89% dos Gastos; em 2014, 105,10%), começo 2015 com o ambicioso objetivo de mantê-la. 

Devido às circunstâncias extraordinárias advindas da minha nova realidade econômica, estimo a necessidade de incrementar a renda passiva entre 25% a 30% para que os proventos continuem a fazer frente às despesas.

Analisando apenas o resultado de 2014, cujo crescimento dos proventos foi de 14,78%, eu necessitaria de 2 anos para voltar ao ponto de equilíbrio. O desafio está lançado e será uma motivação a mais alcançá-lo novamente - agora num patamar salarial ligeiramente superior.


Bem, era isso. Desejo a todos um excelente primeiro semestre!

8 comentários:

  1. LdL,

    Que difícil a escolha do 10º ativo! Tenho na minha carteira NATU, HGTX, CCRO e MDIA, mas a MDIA é sem dúvidas a minha preferida de todas essas. Uma empresa extremamente sólida e conservadora, com fundamentos muito bons.

    105% dos gastos em proventos? Isso já não seria uma IF? Quando você vai considerar independentemente financeiro? 200% dos gastos em proventos?

    Abraço e bom próximo semestre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por compartilhar sua experiência com estas empresas, PR! Por mais que eu analise os números, sempre escapa alguma coisa que vocês, por já possuírem alguns ou todos os ativos-alvo, têm mais conhecimento para esclarecer!

      Com relação à sua pergunta, o problema não está no %, mas no contexto: antes, morava com meus pais; hoje, moro sozinho.

      Minha renda e minhas despesas eram menores das que venho realizando desde a troca de emprego, a partir de novembro passado. E mesmo quando eu voltar ao ponto de equilíbrio (100% de cobertura das despesas com a renda passiva) certamente faltará muito para que eu alcance a tão sonhada IF.

      Não cheguei a calcular o percentual necessário para a minha IF definitiva, mas 200% das despesas é um objetivo muito bom. Agradeço sua sugestão!

      Abraço!

      Excluir
  2. LDL,

    Eu espero que você consiga atingir todas as suas metas! Sobre a última ação, a escolha é complicada, mas eu iria de MDIA3!

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, IL! Que você também consiga alcançar as suas!

      Como eu ainda preciso balancear a carteira pela entrada do 9° ativo, ainda vou ter um tempo para analisar bem todas as possibilidades.

      Abraço!

      Excluir
  3. Das candidatas a entrar na carteira, me parece que a Porto Seguro apresenta os melhores dados fundamentalistas no momento. Feliz 2015.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço o comentário, Beto! Considero a Porto Seguro uma das mais fortes candidatas a ser meu 10° ativo.

      Um feliz 2015 para você e toda sua família!

      Abraço!

      Excluir
  4. Respostas
    1. Adicionado. Bom começo de jornada, ER!

      Abraço!

      Excluir