quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Proventos e investimentos - Janeiro 2018

Parcial de janeiro: 


Carteira 2,71% x 4,49% Ibovespa 

Proventos:

Tesouro Direto (cupons)

Yield de 4,28%* no mês (4,28%* no ano)

Ações (dividendos e JCP)

- ITUB3 R$0,015/ação 

Yield de 0,005% no mês (0,005% no ano)

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Compra do mês: Taesa (TAEE11)

Bom, era isso. Bom final de janeiro a todos!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Planejamento da carteira - controle, projeção e plano de ação para o primeiro semestre 2018

Desde que estabeleci objetivos para o meu dinheiro, janeiro e julho deixaram de ser meros meses de balanço; eles passaram a ser mais importantes do que isto.

O fechamento do semestre passou a ser um ponto de chegada/partida importante para a análise do planejamento estabelecido. E como já expus aquiaquiaquiaquiaquiaquiaquiaqui e aqui a pergunta que me faço nestas horas é "como estou me saindo?"

Eis a resposta atualizada, tendo por base os dados do 2° semestre de 2017:

Ganhos/Gastos (comparação com 2016)

                               (1° sem)        (2° sem)         (anual)
▲% dos Ganhos:  +19,31%         +45,14%        +32,78
%
▲% dos Gastos:   +32,30%         +30,58%        +31,38%
*estimativa
Proporção dos Gastos com relação aos Ganhos:

             (1º sem)       (2° sem)        (anual)  
2017      81,10%        61,56%         69,96%
2016      73,14%        68,47%         70,71%
2015      49,05%        49,20%         49,12%
2014      43,45%        30,71%         35,98%
2013      48,49%        22,37%         33,58%
2012      45,91%        15,52%         27,45%
2011      67,71%        24,09%         40,11%
2010      66,53%        30,70%         44,55%
2009      80,14%        34,32%         51,25%


Meta: 50% 


Aportes - proporção dos Aportes com relação aos Ganhos:

            (1º sem)      (2° sem)       (anual)
2017     13,97%        35,84%       26,43%
2016     30,20%        19,73%       24,76%
2015     46,76%        48,74%       47,68%
2014     45,53%        57,84%       52,23%
2013     34,04%        65,88%       52,60%
2012     42,67%        67,89%       56,12% 
2011     16,89%        67,45%       48,36%
2010     26,80%        61,16%       46,93% 
2009     14,36%        59,37%       45,18%


Renda Passiva (Yield) da Carteira:

2017       3,73%
2016       3,51%
2015       4,35%
2014      10,14%
2013      11,82%
2012       9,17%
2011       7,52%
2010       5,00%
2009       8,89%

Meta: 5% 




Uma vez apresentadas as variáveis, passo a comentá-las.


Com relação aos Ganhos:

Da mesma forma que ocorreu em 2016, a renda deste ano decorreu essencialmente do meu salário. Eu até contava com uma boa renda extraordinária (FGTS) mas, como houve a compra do carro, acabei anulando a receita/despesa decorrente dessas duas operações, como forma de não distorcer percentualmente os números apresentados.

Para 2018 também não espero receitas extraordinárias, tampouco um grande incremento no salário, o que torna o controle das despesas fundamental para que eu consiga buscar a meta de longo prazo para os gastos (50% das receitas).


Com relação aos Gastos:
 
Não houve descontrole aqui, mas consolidação de nova mudança de patamar. Feliz e infelizmente.

No primeiro semestre, as despesas cresceram como consequência da compra de um automóvel (combustível, seguro, impostos etc). Possuir carro no Brasil é um luxo mesmo no meu caso, onde ele era, é e continuará sendo essencial para o bom desempenho da minha principal fonte de renda.

No segundo semestre houve uma pequena queda ordinária nesta variável (-1,42%), agora acrescida dos custos decorrentes do meu deslocamento diário para o trabalho. 

O que impactou extraordinariamente aqui foi o planejamento das férias de 2018, cujas despesas com passagens, estadia e seguro viagem já foram pagas - à vista.

Assim, o foco agora é ampliar o controle sobre o consumo e assegurar que o aumento do meu custo de vida tenha sido exagerado e que ele também tenha ficado para trás.

Com relação aos Aportes:

A meta de aporte anual ficou 16,39% abaixo do planejado, em grande parte devido às despesas decorrentes da aquisição do veículo nos primeiros 6 meses de 2017 e, em menor parte, ao planejamento das minhas férias deste ano.

Analisando a meta decenal (2015-2024), mesmo a tendo descumprido em dois dos seus três primeiros anos, o total aportado representa 97,53% do planejado.

Uma diferença pequena, que pretendo compensar este ano com alguma folga.

Com relação ao Yield:

A base de cálculo do Yield aqui apresentado é diferente da que divulgo mensalmente, pois ela leva em conta o patrimônio bruto (preço de compra) do fechamento do ano anterior; já o Yield divulgado mês a mês tem por base o patrimônio bruto (preço de compra) do fechamento do mês em questão.

Em valores absolutos, houve um acréscimo de 20,33% nos proventos recebidos quando comparados ao mesmo período de 2016 (+25,31% no ano). Também em valores absolutos, isso corresponde a 20,98% dos Gastos no semestre (22,86% no ano).

Como a meta é alcançar 100% das despesas, posso dizer que me faltam 4/5 de renda passiva para ser financeiramente independente. Falta muita coisa? Sim... mas sigo avançando na direção correta.

Acredito ser importante fazer também alguns esclarecimentos.

Nos últimos 3 anos ocorreram mudanças importantes na minha vida. 

Muitas coisas aconteceram no campo pessoal e profissional que acabaram impactando o planejamento financeiro... se por um lado estas mudanças incrementaram a minha renda, por outro criaram novos desafios para o controle das minhas despesas.

A meta de crescimento do patrimônio para 2017 foi alcançada: 32,56% (meta - 30%).

A divisão da carteira para 2017 ficou assim estabelecida: 80% Ações e 20% TD. Em dezembro ela se manteve perto disso (87-13).

Sei que a concentração em RV é um tanto perigosa, mas é um risco que o tamanho ainda reduzido do meu patrimônio, minha pouca idade e o momento da bolsa me encorajam a correr.

Este ano abandonei as posições de Eternit e BCFF11b (março), XPGA11 (abril),  Cemig (outubro) e Eletropaulo (novembro). Por outro lado, abri posição em Taesa (abril) e M. Dias Branco (novembro).

Os aportes do 2° semestre foram destinados para Ambev, Cielo, Grendene, M. Dias Branco,  Portobello, Taesa, Vale e Weg. Também houve antecipação da recompra de NTN-F 010127 em dezembro. Em 2017 só não houve aporte em Itaú.

No caso da Vale: mesmo com a compra efetuada, a quantidade de ações foi reduzida devido à conversão das PN em ON.

Para o próximo semestre a meta é prosseguir com o balanceamento da carteira, nos moldes do que já venho fazendo (aporte + reinvestimento). O acréscimo de um novo papel não está descartado, uma vez que o ideal, no meu ponto de vista, são 10 ativos na RV.


Bem, era isso. Desejo a todos um 2018 excepcional!

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Fechamento - Dezembro 2017

Atualização da carteira em 28/12/2017:

Com base na planilha de cotas do AdP, a carteira...

 

... teve uma valorização de 5,60% no mês (Ibovespa 6,51%)
... valorizou 32,56% no ano (Ibovespa 26,86%)
... tem uma rentabilidade histórica de 38,77
%
... teve um crescimento do capital de 6,55% no mês
... tem um crescimento do capital histórico de 176,14% (jan/2013).

Com relação aos proventos (calculados pelo preço médio de compra dos ativos):

Yield das ações no mês: 0,50% (no ano, 3,35%)
Yield dos FII no mês: 0% (no ano, 2,52%)
Yield do TD no mês: 0% (no ano, 7,91%)
Yield em dezembro: 0,44% (no ano, 4,10%)


 
Já a divisão da carteira ficou assim:






Ações:
ABEV3      10,71% 
CIEL3        11,84% 
GRND3     11,19%
ITUB3       10,67%
MDIA3        9,83%
PTBL3        7,60%
TAEE11     10,07%
VALE5       16,72% 
WEGE3    11,37%

TD:
NTN-F 010121 49,60% 
NTN-F 010123 16,27
NTN-F 010125 16,01%
NTN-F 010127 18,12%



... E acabou 2017. 

Sei que a passagem dos meses apenas nos dá uma perspectiva, uma foto dentro do grande filme das nossas vidas. 

Posso juntar as fotografias do ano para afirmar que o curta-metragem de 2017 foi excelente? Posso.

E para 2018, o que podemos esperar? De minha parte, muito trabalho para fazer o meu - e muita torcida para que as variáveis que independem de mim façam a sua.

Vida que segue, portanto.

Posso dizer também que minha vida pessoal foi ótima em 2017? Posso... mas como aqui não costumo tratar de outra coisa que não seja a carteira, vamos aos números!

Proventos:

- ITUB3 R$0,015/ação 
- CMIG3 R$0,12/ação*
- ELPL4 R$0,13/ação
- ABEV3 R$0,26/ação*
- TAEE11 R$0,25/ação*

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Compras de dezembro: Grendene e NTN-F 010127, a primeira aporte + proventos; a segunda, antecipação dos cupons a serem pagos no dia 02/01/2018.

Proventos previstos para janeiro: ITUB3 (R$0,015/ação).

Bom, era isso. Desejo um feliz e próspero 2018 a todos!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Proventos e investimentos - Dezembro 2017

Parcial de dezembro: 


Carteira 1,43% x 1,32% Ibovespa 

Proventos:

Tesouro Direto (cupons)

Yield de 0% no mês (7,91%* no ano)

FII (dividendos)

Yield de 0% no mês (2,52% no ano)

Ações (dividendos e JCP)

- ITUB3 R$0,015/ação 
- CMIG3 R$0,12/ação*
- ELPL4 R$0,13/ação
- ABEV3 R$0,26/ação*
- TAEE11 R$0,25/ação*

Yield de 0,50% no mês (3,35% no ano)

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Compra do mês: Grendene (GRND3)

Bom, era isso. Bom final de dezembro a todos!

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Fechamento - Novembro 2017

Atualização da carteira em 30/11/2017:

Com base na planilha de cotas do AdP, a carteira...

 

... teve uma valorização de 1,12% no mês (Ibovespa -3,47%)
... valorizou 25,82% no ano (Ibovespa 19,10%)
... tem uma rentabilidade histórica de 31,78
%
... teve um crescimento do capital de 1,42% no mês
... tem um crescimento do capital histórico de 159,18% (jan/2013).

Com relação aos proventos (calculados pelo preço médio de compra dos ativos):

Yield das ações no mês: 0,26% (no ano, 2,90%)
Yield dos FII no mês: 0% (no ano, 2,52%)
Yield do TD no mês: 0% (no ano, 7,91%)
Yield em novembro: 0,22% (no ano, 3,69%)


 
Já a divisão da carteira ficou assim:






Ações:
ABEV3      11,00% 
CIEL3        12,26% 
GRND3     10,42%
ITUB3       11,17%
MDIA3        9,39%
PTBL3        8,08%
TAEE11     10,68%
VALE5      15,52% 
WEGE3    11,48%

TD:
NTN-F 010121 51,96% 
NTN-F 010123 16,99
NTN-F 010125 16,77%
NTN-F 010127 14,28%



Que fique claro, aqui: só estou fazendo esta postagem pelo planeta não ter terminado ontem. 


Ao que parece, o meu time resolveu suspender os planos pensando em voos maiores.

Mais um mês de bons ventos na contagem regressiva da carteira para 2018. Eu mesmo já estou de férias e, antes de alguém perguntar: sim, eu programei as férias pensando na final da Libertadores, da mesma forma que já havia feito o mesmo ano passado, com a Copa do Brasil.rs

Sei que muitos não entendem esta paixão clubística, que consideram tempo e dinheiro perdidos. Mas para mim o futebol é a coisa mais importante dentre as menos importantes. É algo que, acima de tudo, me faz bem. 

Como disse certa vez o saudoso Paulo Sant'Ana, 'ser gremista é o sonho delirante de não conseguir na vida ser uma outra coisa'. É sentimento que não se explica, apenas se sente.

Quem acha mesmo que esse boleiro não estuda futebol precisa rever seus conceitos.


E se você nunca teve o prazer de ir a um estádio de futebol sentir o clima de um dia de jogo, vá. É algo sensacional.

Agora chega de falar de futebol (aqui, claro) e vamos aos números!

Proventos:

- ITUB3:  R$0,015/ação
- GRND3: R$0,24/ação
- TAEE11: R$0,25/ação*

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Compras de novembro: Ambev e Taesa com o aporte e reaplicação dos proventos; M. Dias Branco com o direito de retirada em Eletropaulo.

Proventos previstos para dezembro: ITUB3 (R$0,015/ação), Cemig (R$0,13/ação) e Eletropaulo (R$0,14/ação).

Bom, era isso. Um ótimo mês de dezembro a todos!

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Proventos e investimentos - Novembro 2017

Parcial de novembro: 


Carteira -1,72% x -4,69% Ibovespa 

Proventos:

Tesouro Direto (cupons)

Yield de 0% no mês (7,91%* no ano)

FII (dividendos)

Yield de 0% no mês (2,52% no ano)

Ações (dividendos e JCP)

- ITUB3 R$0,015/ação 
- GRND3 R$0,24/ação
- TAEE11 R$0,25/ação*

Yield de 0,26% no mês (2,90% no ano)

*valores líquidos, já descontado o IR correspondente.

Exerci o direito de retirada em Eletropaulo (R$16,10/ação). Com o dinheiro mais uma parte do aporte, comprei  M. Dias Branco (MDIA3).

Bom, era isso. Bom final de novembro a todos!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Fechamento - Outubro 2017

Atualização da carteira em 31/10/2017:

Com base na planilha de cotas do AdP, a carteira...

 

... teve uma valorização de 2,27% no mês (Ibovespa 0,02%)
... valorizou 24,52% no ano (Ibovespa 23,38%)
... tem uma rentabilidade histórica de 30,44
%
... teve um crescimento do capital de 4,41% no mês
... tem um crescimento do capital histórico de 155,55% (jan/2013).

Com relação aos proventos (calculados pelo preço médio de compra dos ativos):

Yield das ações no mês: 0,005% (no ano, 2,60%)
Yield dos FII no mês: 0% (no ano, 2,52%)
Yield do TD no mês: 0% (no ano, 7,91%)
Yield em outubro: 0,004% (no ano, 3,45%)


 
Já a divisão da carteira ficou assim:




Ações:
ABEV3      11,20% 
CIEL3        12,38% 
ELPL4        8,66%
GRND3     11,37%
ITUB3       11,96%
PTBL3        8,82%
TAEE11      9,92%
VALE5      14,65% 
WEGE3    11,04%

TD:
NTN-F 010121 51,56% 
NTN-F 010123 17,03
NTN-F 010125 16,93%
NTN-F 010127 14,48%



Mais um mês de bons ventos na contagem regressiva para 2018. No meu caso, a contagem está se dando em dias úteis e eles terminam ainda em novembro.rs


Vamos aos números!

Proventos:

- ITUB3:  R$0,015/ação

Compras de setembro: Ambev, Cielo e Weg.

Aceitei o direito de retirada oferecido pela Eletropaulo (R$16,10 por ação). Como não recebi informação de que o direito de retirada será respeitado, o fechamento foi feito com a cotação do dia de hoje (R$14,74).

ATUALIZAÇÃO: Eletropaulo aprovou o direito de retirada. Valores da rentabilidade mensal foram corrigidos.
http://www2.bmfbovespa.com.br/empresas/consbov/frmNBC.asp?protocolo=584358

Proventos previstos para novembro: ITUB3 (R$0,015/ação)

Nos últimos dias de outubro começou a divulgação dos balanços do terceiro trimestre de 2017. As divulgações seguirão até a primeira quinzena de novembro.

Segue a relação dos ativos da minha carteira de ações com seus respectivos resultados do 3t17:

Ambev:         R$ 136M     (R$ 4,551B)
Cielo:            R$ 1,070B  (R$ 3,156B)
Eletropaulo:  01/11/2017  (R$44M)
Grendene:    R$ 146M     (R$410M)
Itaú:              R$ 5,918B   (R$ 18,588B)
Portobello:    10/11/2017  (R$ 42M)
Taesa:           08/11/2017  (R$ 273M)
Vale:             R$ 7,170B   (R$ 15,282B)
Weg:             R$ 312M     (R$ 844M)


Bom, era isso. Um ótimo mês de novembro a todos!